segunda-feira, 14 de abril de 2014

Description

                           



"Se amor fosse por afinidades, estaríamos resolvidos.
Se amor fosse por semelhança, estaríamos tranquilos.
Se amor fosse por amizade, estaríamos calmos.

Mas amor não é feito de razão, não é uma decisão, não é uma escolha consciente.
Amor é um tormento, um redemoinho de pássaros, uma inquietação espantosa.
Não há como estabelecer: vou amá-lo, vou amá-la, apesar de ser a pessoa ideal para estar conosco.
As pessoas ideais jamais são amadas. Elas são desejadas, mas não amadas. 
Não há como se convencer de que se gosta de alguém, infelizmente, assim seria mais fácil.
Ama-se quem a gente menos espera, quem mais nos surpreende, quem mais nos irrita, quem mais nos desafia.

O amor é do contra, o amor é oposição, o amor é uma insegurança atenta.
Amor é a primeira vista ou não é amor - paga-se com a vida antecipadamente. Não  é parcelado, não é um costume agradável.

O amor não vem com o tempo, fecha o tempo.
Pode se apaixonar, pode ter arrebatamentos, atração, gana de ficar, mas amor mesmo é fulminante desde o início e sempre.
Não é uma negociação, não é uma definição pelo melhor. É uma imposição química, emocional, seja como for.

Amor não é dote, não é indicação de pais e amigos, não é perfil equilibrado. É um erro inspirado. Aquele que erra ao amar acerta o amor.
Por isso, é tão difícil amar. Por isso, e tão difícil deixar de amar.
Amor não é caminhar na chuva, é ser sorteado pelo relâmpago.

Talvez encontre alguém que adore conversar, adore transar, adore estar junto, mas não significa que amará. Os dias felizes serão agradáveis, os dias tristes serão agradáveis, mas não será suficiente. Faltará aquela intensidade explosiva.

Com o amor, talvez brigue na hora de conversar, na hora de transar, na hora de estar junto, só que se enxergará inteiro como nunca, porque tudo faz sentido na falta de sentido, tudo é o dobro de ardor. Os dias felizes serão os mais felizes, os dias de tristeza serão os mais tristes. Não terá a mornidão, a neutralidade, o purgatório.

Amor é extremo: céu ou inferno. O jogo da amarelinha é feito de pedras, não de flores.
Amor é contundência implacável, não é adiamento e concordâncias.

Ou você acredita no amor ou confia no amor. São duas posturas distintas. Quem acredita no amor não ama, tem vontade de amar, faz uma volta ao mundo para se convencer que está amando, é capaz de fingir ou mentir pra si que está amando. No fundo, sabe que está sozinho, que vive racionalmente, que tem o domínio da situação, que tem condições de sair da relação a qualquer momento e não sofrerá absolutamente nada. Acreditar no amor é forçar o amor. Inventar o amor. Forjar o amor.

Já confiar no amor é quando não temos mais controle sobre o próprio sentimento: a mera possibilidade de uma separação é devastação. Confiar no amor é aceitar o amor. Obedecer ao amor. Sofrer com o amor.

Quem acredita no amor vive se explicando.
Quem confia não precisa nem de explicação: o amor é uma realidade incontornável!"

segunda-feira, 31 de março de 2014

Vinte e Três


Você já se perguntou qual o verdadeiro sentido da vida? Já se perguntou se existe sentido? É esse tipo de pergunta que me ronda há alguns dias antes do meu aniversário de vinte e três longos anos. Foram tantos acontecimentos, tanta coisa boa, tanta coisa ruim, tanta ralação, taaanto tudo que fica difícil balancear.

E os vinte e três vieram cheios de dúvidas e preocupações. Talvez provações. Há quase uma semana, em um exame de bobeira, descubro que adquiri um problema cardíaco, posso ser portador da doença de chagas ou qualquer outra coisa do tipo. E as melhores partes são as coincidências, vida pessoal toda bagunçada sentimentalmente, mas profissional uma maravilha. Como conciliar?

Inúmeros exames a serem feitos, lidar com a saudade de quem já não faz parte da minha vida, e ter de botar um sorriso no rosto e transmitir que “está tudo bem”. E eu me pergunto, sentido da vida? Comemoração de vinte e três anos de vida? Por qual motivo? E a chave de ouro (que não poderia faltar) é adoecer no dia anterior, morando no interior. Show de bola!

Essa grande ironia chamada vida, não será dessa vez que irá me aplicar uma rasteira a ponto de não conseguir me erguer novamente. Ainda to no chão, uma hora ajoelho, sento até conseguir parar de pé novamente!

Como a vida muda em duas semanas, não?

Ps.: Sempre bom agradecer quem ajuda, gostaria de deixar expresso meu amor a minha mãe, e ao certo ausente.

domingo, 23 de março de 2014

Valediction Of a Lifetime




Fica um pouco mais. Na geladeira tem aquele suco que você gosta, aquele queijo brie que você ama comer com qualquer coisa e temos pizza de ontem também. Fique. Deve chover daqui a pouco, pelo menos eu ouvi dizer. Mas se não, deve estar quente demais. Fica. Eu ligo o ar condicionado ou fico te abanando, se você quiser. Fique um pouco mais. Ou muito mais. Tem algum maço de cigarro teu perdido em meu armário. Tem aquele short meu que você gosta de dormir. E eu comprei DVDs legais esse mês, fica pra gente ver junto.

Fica, vai. Eu lavo a louça e posso ler pra você, também. Posso fazer pão de queijo ou pizza de mentirinha. Eu arrumei a cama pra gente. Ou podemos ficar aqui neste sofá que nem existe. Fique. Lá fora, está perigoso demais, eu vi no noticiário! Há trombadinhas por toda a São Paulo, que assaltam em ônibus ou esquinas. E os taxistas também são maus e podem tentar te assediar ou algo assim.

Fica aqui comigo. Eu estou doente. Olha? Eu não sou de ficar doente! Estou começando a ficar com febre, tosse ou câncer, sei lá. Minhas mãos estão tremendo e eu sinto que meu coração está acelerado demais esta noite. Fica para cuidar de mim? Fica, vai. Tua mãe pode esperar. Teus amigos, também podem esperar. Até as tuas amigas que não gostam de mim podem esperar. Fica, vai. Manda mensagem ou liga para todos eles e diz que foi por aí e só!

Fica. Tem biscoitos de chocolate na cozinha. Tem livros legais na prateleira. Tem jogo de tabuleiro, baralho ou coisa assim. Tem coisa de beber, de fumar. Fica, droga. Tem seriados legais no 44. Eu prometo não te machucar fazendo cócegas. Prometo acarinhar o lóbulo da tua orelha e te fazer massagens também, as que eu nunca fiz! Ou te colocar no meu peito (como sempre) e te fazer carinho na nuca até você dormir. A gente pode transar, sempre que você quiser. A gente pode falar mal dos outros ou da gente mesmo. A gente pode ficar em silêncio, também.

Você realmente quer ir? Tudo bem. Pode ir. Mas me deixe sua boca. Teus braços. Tua voz. Tuas pernas. Teu peito. Ou melhor, vai não. Fica aí, que você é meu pedaço de luz. Que você é o todo do tudo que preciso...!

Com sempre amor! E.B.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Chasing The Sun



Por muito tempo fui acusado de ser um melancólico nato, digno de viver na época do quinhentismo brasileiro e escrever poesias decassílabas que falavam sobre tudo! Sempre apontado como um artista que viveria de vento, completamente desligado do "carpe diem" que se sucedeu na escala literária. Mas, aquém do que todos visualizavam meu futuro, mergulhei no "carpe diem" de corpo e alma, dando muito tapa de luva. E hoje estou aqui, quase me tornando um médico.

Acredito que devido as circunstâncias as quais vivi, acabei canalizando toda a minha melancolia no ato de poder salvar vidas. Posso ate não ter feito a melhor escolha pro mundo, mas com certeza fiz a melhor escolha pra mim. Consegui associar tudo que eu via como importante para uma vida.

Mas não é exatamente sobre mim, e meus planos e passados que é a intenção do texto. É mais para dizer sobre como as pessoas estereotipam as outras, imaginam milhares de coisas somente vendo o físico, sem mesmo dizer um "oi". E isso é sim um mal do mundo moderno, um dos outros tantos que existem. Na mesma linha de pensamento, pode-se citar ainda as expectativas que criamos sobre as pessoas, por menor que seja. Tenho a convicção de que é uma das piores coisas que podemos fazer, estereotipar e criar expectativas, mas reconheço que isso está intimamente associado ao ser humano.

E quem nunca fez isso, várias vezes na vida, que atire a primeira pedra. Mas que sejamos conscientes ao realizar determinados comentários e criar determinadas expectativas.

Como dizem por aí, sou muito bom com palavras, mas as ações deixam a desejar. Bora fazer acontecer!

Não coloque expectativas nas pessoas, deposite amor. Por que? Simples. Expectativas quando não supridas, geram decepção e mágoa, já o amor não.

P.s.: Conheça todas as teorias, domine todas as ténicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana!

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

O Que Nos Restou




É estranho pensar, entender e até mesmo aguentar essa coisa de que nada na vida é eterno. A gente vai perdendo coisas e pessoas pelos caminhos que trilhamos e pelas escolhas que fazemos, volta e meia uma coisa perdida lá atrás reaparece no seu caminho de uma maneira melhor, ou não. E a pior parte do perder, é quando não é uma escolha nossa. Somos criados, e acho que não há exceções, para sempre conquistar o que queremos, e levar essa conquista pra vida, mas muitas vezes não funciona exatamente como planejamos.

É difícil qualquer perda que o ser humano tem, qualquer desistência e aquele sentimento de impotência então, não existem comentários pertinentes que consiga esclarecer. Se sentimos, ainda que no silencio da própria mente, a falta de um objeto que perdemos...imagine quando se trata de pessoas? Qualquer perda dói, machuca, e pode te levar a meses ou anos(?) de um recolhimento interno que só faz piorar tudo que já está ruim. Há quem diga que tira tudo isso “de letra”, mas pouco acredito.

A saudade é sempre forte, o amor é forte, a vontade é forte, mas ainda sim é pouco pra termos o que queremos. Minha avó sempre me falava alguma coisa que me lembra perseverança, não sei se são os dias atuais ou se são os seres humanos, mas essa palavra está extinta do nosso já pobre vocabulário. E já que estamos apenas existindo, nos sobra aquelas fotografias:

“Momentos eternizados em fotografias. Movimentos congelados, uma cena dinâmica que se tornou estática. Pessoas que estavam tão próximas e que hoje são tão distantes. Que tenho até timidez em conversar. Ou que talvez jamais conversaria. Mas ali existe uma pessoa que sinto saudades. Saudades de um tempo que não volta, mas que hoje tem o seu lugar bem guardado. O melhor de tudo, é que com essas fotografias em mãos me dei conta que fiquei com uma parte incrível delas: o sorriso. E é só deles que eu gostaria de me lembrar agora...


P.s.: Como diria CFA - "E entre tudo que ele poderia ser pra mim, ele escolheu ser saudade.”Parte superior do formulário

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Life: That's a Big Irony



Qual o conceito de ironia pra você? Começo fazendo essa pergunta que muitos ou quase todos que se consideram irônicos, ironizam simulando saber, ou não, a resposta na ponta da língua! Realmente parece ser fácil, entretanto nem todos sabem ao exato a verdadeira ironia.

Acredito que a maior e verdadeira ironia do mundo se chama vida! Aquilo que você diz estar ‘vivendo’ nesse exato momento. A vida é única que nos surpreende, que da mil e uma voltas sem mesmo percebermos e não mais que inesperado PÁ! Aquele tapa de luva, aquela cambaleada nas pernas, o mundo girando, o zumbido no ouvido, noites mal dormidas e até mesmo uma fraqueza inicial ou permanente. Isso sim, eu considero uma ironia.

É nesse momento em que a estabilidade no emprego, nos estudos, e na família, resolvem descer junto e misturado, cai tudo ao mesmo tempo! E a ironia é justamente essa, a SUA vida desmorona sem você se dar conta que algo irá acontecer, rasteira e cara estatelada no chão. Quem nunca teve aquela surpresa no trabalho que fez o mundo girar? Aquela decepção amorosa que acabou com boas partes do seu dia? Aquela briga de família que arrancaram pensamentos de revolta? Essa é a vida ironizando cada vez mais a sua força de cair e levantar-se, ou mesmo de continuar-se erguido apenas cambaleando. As vezes ela é tão sorrateira que ironia é pouco pra descrever o que ela pode fazer com a gente.

Dizia ainda Clarice Lispector, que não sabemos qual o defeito sustenta todo o edifício, mas ouso dizer que quando o pilar principal desmorona, sempre sabemos o que ta segurando tudo até que sejam refeitas todas as outras colunas, e na grande maioria das vezes é o amor. Esse sentimento que ferve nossos neurônios, não da paz para o coração, e somente uma pessoa consegue acalmar essa taquicardia dispneica! Interessante mesmo, é que sempre queremos quem nos machucou para nos curar. Mais uma vez a vida te dando tapa de luva!

Nunca se sabe até quando e quanto você é forte suficiente para essas ironias, mas uma coisa é certa: pelo menos uma vez em nossa vivência terrestre somos fracos o suficiente...


P.s.: Viver tudo que há pra viver, apesar das ironias...

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Vinte e alguns...!




Há exato um mese e dez dias eu completei vinte e um anos, e somente hoje tive a ‘coragem’ de postar esse texto que estava guardado pra mim.


É interessante como não nos lembramos do momento que viemos a vida. Penso que deveríamos ter a famosa “memória de elefante”, que são capazes de lembrar até o final da vida do cheiro de uma pessoa ou coisa até o final da vida, mesmo tendo contato apenas uma vez e quando ainda filhotes. A memória do ser humano é coisa esquisita que nem os melhores cientistas e pesquisadores conseguiram definir ao certo como funciona e/ou como controlar, somente sabemos que as informações são guardadas de maneira aleatória e sem conseguirmos controlar isso. E falo isso por experiência própria, lembramos de coisas que jamais queríamos lembrar, esquecemos coisas essenciais a nossa vida! Cabeças e memórias...


Enfim, estou filosofando sobre memórias porque, nessas datas acabamos que “sem querer” fazemos uma reflexão de tudo que passou, e o que tem por vir nessa vida terrestre. Tiramos pontos positivos e negativos ( a famosa e eterna dualidade do ser humano ) dessa vivência mais que louca que nos acontece. Pensamos, rolamos noites em claro na cama, paramos nossos afazeres, viajamos, nos teletransportamos pra outros lugares quando pensamos nesses momentos. Queria poder conseguir ser mais claro, mas acho que não consigo!


Apenas queria libertar aquele nó na garganta que está preso há muito tempo. O tempo dos vinte e um anos, me ensinou que se há fé e ação a chance das coisas darem certo são muito maiores que os 50%. E quem me acompanha deve estar se perguntando: nesse um ano, entre o outro texto e esse, há diferenças palpáveis na idade?


A resposta seria um grande e sonoro SIM. Conheci pessoas maravilhosas, deixei pra trás pessoas que não acrescentavam em nada na minha vida, e todas aquelas outras coisas que citei anteriormente, só que bem amplificadas. E esse ultimo ano fez toda a diferença na minha vida, em especial por uma única pessoa que me arrebata em todos os sentidos, e ta fazendo isso tudo ser cada vez melhor...TE AMO!


P.s.: “Se o não já esta garantido, temos que tentar o SIM”

segunda-feira, 19 de março de 2012

...




Desculpe minhas ideias soltas, frases de amor, mas no momento, to vivendo disso:

Queria poder estar dizendo isso tudo pra você e somente para você, mas as circunstancias ou o calor do destino não queria que fosse assim. Me conformo então, em ‘não lhe dizer’ tudo o que penso e sinto nessas duas semanas de muita luta interna e um sorriso no rosto que enganaria a qualquer um, as vezes, até a mim.

Desse tanto de tempo, desses enormes dias, escorridas horas e intempestivos minutos o que mais me fez falta, foram aqueles que passei pensando em você. Engraçado como são as coisas, lutamos tanto para termos o amor da nossa vida, aquele que nos tira o fôlego, que nos deixam horas a fio pensando no reencontro, e quando nos deparamos com ele, fugimos. Talvez não fosse uma fuga do amor, mas sim do sofrimento que talvez ele nos causaria, coisas que nem sabemos. Imaginamos vários momentos, lagrimas escorrendo, e um tanto de outras coisas, que nunca pensamos que faríamos. É, é isso mesmo, nunca foi fácil pra ninguém, tampouco pra gente, porque estamos longes de sermos perfeitos.

Como diz um ditado por ai, casa de ferreiro, espeto de pau. Quando temos aquilo que queremos, nunca estamos satisfeitos com nada, nada. Fazemos as coisas as avessas, corremos, choramos, queremos mudar o mundo, mudar a gente, e todo mundo que no nosso caminho entrar. Mas não conseguimos sequer arrumar o nosso quarto, e ai? Sofremos.

Desejava que eu fosse perfeito pra você, e vice-versa, mas perfeitos nunca fomos, embora tudo o que tivéssemos, fosse um do outro.

Uma carreta de mal entendidos, inexplicações, coisas que machucaram e dois corações antes felizes, agora apertados e angustiados. Corações na boca, mãos frias, cabeça no mundo da lua e consigo apenas pensar em uma frase: amo você e quero de volta pra mim.


P.s.: Pra quê sofrer se podemos apenas ser feliz? Erros inatos dos seres humanos...

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Minha (não) Doce viagem...



Incrível como existem coisas que somente acontecem com gente que esta com o espírito despreparado, e não me contento em guardar isso só pra mim, logo vou ser obrigado a desabafar aqui no blog.
Na minha longa, (in)cansável e inenarrável viagem para Cabo Frio, aconteceram tantas coisas dignas de revolta que vou contar como algo cômico, que de cômico não tem absolutamente nada. Pra começar tive que pegar um ônibus ate a cidade de Ipatinga, porque a conexão Caratinga > Macaé saía somente daquela ENORME rodoviária de cidade. Até ai, tudo bem, já estou acostumado a ir em Ipatinga todos os dias da semana ( de carro, detalhe ), mas ser obrigado a pagar um banheiro INDECENTES dois reais para mijar é rir da minha cara gargalhadamente. Logo, não paguei e segurei a vontade até chegar o momento oportuno. Após alguns (longos) minutos de espera eis que chega o ônibus e as pessoas avançam sobre ele como se fosse sei lá...o caminhão de comida em meio às enchentes do sul, paciência. Sem muitos problemas fui o ultimo a entrar no ônibus, com muita, muita histeria de quem já tinha entrado. Liguei o foda-se e fui ser (muito pouco) feliz.
Durante o percurso ate Caratinga de um ônibus (semi?) executivo, uma anta de galocha me passa perfume DENTRO do ônibus, me lançando um sorriso amarelado como quem se desculpasse por ter borrifado SEM QUERER uma vez em mim. Não, não se perguntem qual era o perfume, porque se fosse da Avon ainda estava muito bom! Enfim, esse ser inergúmero desce em uma cidade qualquer desfilando como se fosse a ultima coca com gás gelada no deserto. Até então, ok, estava apenas começando minha viagem cheirando (??) a um perfume não muito, agradável. E não vou nem comentar a respeito dos farofeiros de ônibus, entrando arrumando confusão, comendo milho e o caralho a quatro. Meu bom humor ainda permanecia até a chegada em Caratinga.
Descendo nessa humilde e nada agradável cidade, sou obrigado a esperar mais QUARENTA E CINCO minutos de atraso de um ônibus que era CONEXÃO que eu não podia pegar na minha cidade. Enquanto isso, seres avulsos e desconhecidos cismam em manter um dialogo com uma pessoa (eu) não TÃO muito afim de gesticular a boca. Foi quase como uma entrevista, onde as respostas variavam de ‘sim’ até um ‘talvez’, e mesmo assim, houve quem não percebesse que eu estava afim de conversa. Mas ate aí, ok, estava quase no meio da viagem. Embarcando no ônibus com destino a Macaé ouço e sinto cheiro daqueles salgadinhos EM UM ÔNIBUS EXECUTIVO. ATE QUANDO MEU DEUS?? Não me contive, tomei meu rivotril e apaguei como se não tivesse que acordar as 4 da manha com alguém me cutucando porque havia chegado em CAMPOS! Eu disse que desceria em CAMPOS EM ALGUM MOMENTO? Abri meio olho, meu de uma vontade enorme de mandar tomar no c*, mas concordei, e virei pro meu sono profundo até o destino final.
Macaé, o que dizer de Macaé? Vou me conter porque cheguei ao meu destino final sem muitos (?????) problemas. Mas uma coisa eu tenho que elogiar o povo macaense (?): coragem de sobra. Acreditem, entre Cabo Frio e Macaé são poucos mais de 60Km e o transporte é feito em ônibus comuns, estilo que rodam dentro de cidades, mas com um diferencial: os motoristas são meio loucos. Só que eu vi e assustei, foram quase QUATRO iminentes acidentes que aconteceram, os outros eu estava ocupado demais sentindo os efeitos do rivotril. Não esquecendo de comentar da rodoviária, que apesar de ótima estrutura, é quase um zoológico, onde se misturam cachorros, gatos, pombos, pardais, vocês tem de ver, uma alegria só com os mendigos!
Mas finalmente chegando a Cabo Frio, onde minha mãe me esperava ansiosamente, a julgar pelas 15 chamadas não atendidas, me sinto ‘em casa’. Só me sentia. Fiquei por imensas 2 horas a espera da minha mãe me buscar na rodoviária, que ela não conseguiu achar, e finalmente me avisou carinhosamente: - Vem de táxi, o hotel é tal! Mas né, ficar nervoso porque? Já tinha chegado ao meu destino final. Engoli o choro do ódio entrei em um táxi e minha boca nervosamente pensou em dizer: Toca pra Minas Gerais, Coronel Fabriciano!, mas não...indiquei o hotel. O amor e a saudade eram tantos que troquei de roupa e fui pra água salgada gelada tirar o mau olhado, porque né...sempre tem como piorar.
P.s.: Duas horas depois da chegada, fui pra búzios, dormindo, pra não correr o risco de dar de cara com a verdade!
E isso é só o começo...

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Amour. Passion. La perfection



Nunca imaginei como se desdobram as coisas da vida, aliás, já imaginei e estou em constante imaginação, mas não da forma como deveria. Se é que existe uma maneira certa de se fazer isso...e confesso que me agradaria e muito saber fazer.
A propósito da imaginação, pensávamos (de uma maneira geral) que o que nos fazia feliz era o amor eterno, a paixão sem fim, a pessoa perfeita na hora certa.  Entretanto, o que temos vivenciado é exatamente o contrario: o amor só era eterno quando vivíamos no Maximo trinta e poucos anos, a paixão acaba tão logo quando termina o tesão, e a pessoa perfeita não merece ser mencionada, porque gostamos é de imperfeição.
Sendo que toda essa sequencia de imperfeição somente descobrimos quando vivemos, e não adianta alguém falar, nos avisar e até nos proibir, só vemos e acreditamos quando a coisa é com a gente.
Voltando aos amores, paixões e imperfeição, ainda posso dizer que a pessoa perfeita não existe e nunca existiu. É bobagem acreditar que quem ama você nunca te fará chorar, porque isso invariavelmente irá acontecer mesmo que ela não queira. É tolo imaginar que quando se ama não irá ter desejos por outras pessoas, ainda que só carnal. Já quanto ao fato de concluir o desejo sou bem extremista: nem todo mundo que trai não ama, na mão inversa, nem todo mundo que ama não trai. E acredite, um dia isso lhe ocorrerá, tendo consciência disso ou não, e somente quando acontecer saberá qual atitude tomar, ou não. Mas é por essas e tantas outras que concordo com outros escritores, gostamos mesmo é da imperfeição, e ela que nos atrai e quase nos amarra, como se fossem feromônios.
Como bem lembrado e resaltado por alguém, o amor eterno somente existia quando a expectativa de vida não passava dos quarenta anos, então era muito mais fácil ficar até a morte junto com alguém. Mas agora com tanto tempo e tanta coisa a se desfrutar a eternidade é sinônimo de “enquanto dure”. E a paixão sempre foi passageira, e se engana quem pensou diferente disso.
E, indiscutivelmente são as pessoas erradas e imperfeitas que são as flores da estação...
P.s.: Imaginar mais um amor, não faz mal a ninguém e ainda ocupa o tempo dos ociosos.
P.s.:  Prefiro a provisoriedade completa, que uma primavera inteira lacunar.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

That's True


Toda vez que começo a escrever sinto um sensação tão incrível como se eu tivesse realizando meus melhores sonhos e concretizando meus melhores e mais difíceis desejos, porque na escrita eu faço isso, e posso com isso. Contudo, ultimamente venho vivenciando coisas reais, sonhos ligados vinte e quatro horas por dia, e com uma pessoa responsável por todos meus pensamentos diários. É engraçado pensar que conseguimos esquecer outras pessoas e colocar novas exatamente no mesmo lugar e até mesmo ocupando um espaço maior e de maneira mais especial.
Mas eu quero mesmo é falar sobre essa coisa chamada vida, que complica e descomplica, que aperta e daí afrouxa, que desinquieta e daí sossega.  É difícil, e eu sei como, descrever esse emaranhado complexo de ações e reações e outras tantas coisas que acabamos por denominar vida. E não falo do sentido biológico ao pé da letra, digo as interelações existentes vivíveis e presenciáveis. Sem complicar muito, como diria um autor desconhecido: para morrer basta estar vivo.
Desconfio que somos os maiores, ou mesmo únicos, complicadores da vida. Sei que não é nem um pouco fácil pensar assim, porque sempre lembramos de terceiros, quartos e fatos que supostamente torna o nosso caminhar mais árduo. Entretanto não é bem assim que as coisas funcionam. As pessoas, fomos nos que ‘deixamos’ entrar na nossa vida, e os fatos, somos nos que ‘deixamos’ acontecer, logo não é tão difícil nos imaginarmos como causadores das consequências.
Ainda existe a teoria que ‘atraímos o que transmitimos’, a qual eu acredito verdadeiramente que exista e faca todo sentido. Estou atraindo, aquilo que eu estou sentindo por você. =D

P.s.: ‎(...) Tô me aproximando de tudo que me faz completo. 

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Friends Are Like Balloons



Estou de volta a essas linhas sem fim, que dão prazer à minha alma e me liberta de certas coisas...
Não poderia deixar passar em branco o dia de hoje, que no calendário é mais uma data como outra qualquer, mas pra quem tem amigos de verdade, significa muito mais que isso. Pra quem é amigo de verdade não faz sentido escrever, escrever ideias sem fim, basta apenas um olhar que o outro já sabe muito bem o que queremos dizer. E são tantas as definições pra amigos/amizade que nem valem a pena serem citadas todas aqui, até mesmo porque, cada um vê de uma maneira diferente a amizade. Só posso dizer mesmo uma coisa, amizade é acima de tudo confiar.
Entretanto, nem somente de flores vivem os relacionamentos, e as brigas ultrapassam qualquer entendimento racional, então deixa falar o coração. Essa sim, com certeza, é melhor metáfora para se entender os sentimentos: deixar falar o coração.
E eu me senti, meio que na obrigação, mas obrigação de prazer, em fazer uma homenagem aos meu amigos antigos, e mesmo os novos que estão colados no meu coração. Leram? COLADOS, e não tem como sair.
Em algum tempo, desse imenso caminho que é a vida, poderemos nos separar, da mesma forma como nos encontramos certa vez, mas isso esta longe de ser uma preocupação. Vivemos os melhores e piores momentos juntos, e sentiremos muita falta daqueles dias de ócio jogando conversas fora. Mas no recordaremos sempre daquelas descobertas que fizemos juntos, os sonhos que sonhamos juntos...e os que fizemos virar realidade. A cada conquista nova, iremos nos lembrar daqueles risos gostosos que demos e daquele choro de felicidade que compartilhamos. Em todo inicio de semana pensaremos nos dias em que ainda era inicio da semana e fazíamos programas para o próximo final de semana, ou mesmo para o próximo fim de ano, enfim, de todos os momentos compartilhados. E estará sempre na minha memória, os novos amigos, os mais antigos e achegados, com todos aqueles abraços, beijos, alegria, choro, sentimentalismos e brigas vividas...porque as cicatrizes não nos mostram o quanto apanhamos da vida, mas sim o quanto soubemos vivê-la e aprender com ela.
E sabe o que vai ficar na fotografia? “Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão: "quem são essas pessoas?" Diremos que eram nossos amigos e isso vai doer tanto! Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!

P.s.: “...tenha orgulho de cada cicatriz, isso mostra que sua vivência foi intensa.”

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Renovating²


Possuímos pessoas na vida que são simplesmente fantásticas ao ponto de influenciar em todas as nossas decisões, nos dar conselhos e seguir todos os nossos atos, mesmo que a distância. Eu to falando de amizade, e o texto de hoje é para você (aquele que me pediu) que me aconselha e me da muito, muito carinho: Gabriela. E tenho de confessar, gostei mesmo desse novo tipo, acho que mergulhei de cabeça.
Existem dias em que a vida acorda, e dá aquela olhada na nossa cara e diz: E aí, quem você quer ser hoje? O que você quer ser hoje? Ser feliz, triste ou acabar comigo? É aquele famoso tapa de luva que nos faz perder o caminho que fazemos da nossa cama até o banheiro mais próximo. Esse mesmo que esta deixando até você mesmo que me lê, sem entender nada. E qual a resposta que damos? O silencio. E então nos vem aquele “quem cala, consente”, mas consente com o que mesmo? Com o que a vida quiser nos dar.
Tenho de confessar que um dos meus dois lados (dois lados que todos temos), pede para que eu escreva sobre a vida de uma maneira ‘filosófica’, mas hoje não, quero ter excesso de sarcasmo, a começar logo após o momento de quando você decidiu entrar nessa página. Interação com o leitor? Vamos tentar dessa forma.
Você me entende se eu disser que tanto o meu, quanto o seu período de vivência aqui nesse plano é curto? Compreende que mesmo você fazendo tudo que gosta no tempo que quer nunca irá conseguir fazer exatamente tudo aquilo que deseja? E não adianta se desesperar, o curso da sua vida é inexorável, mas podemos suavizar o processo. Afinal, você não vive pensando no dia que irá morrer, não é mesmo? A não ser que deseje esse processo... ou não funcione bem essa sua massa encefálica (?).
Então vamos tentar de outra maneira, já que historinhas são sempre mais... convidativas (?).
A história a ser contada é de um rapaz (ou moça, o sexo que quiserem) que possuía ideais de vida como você também possui. Sonhava em possuir coisas, conquistar méritos, alcançar objetivos, e que por influência direta ou não do destino teve de largar tudo isso pra trás e recomeçar. Ironia isso não? Recomeçar como se nada tivesse acontecido antes, seria realmente um recomeço? Talvez sim, mas acredito que não. Já que estamos falando de destino, estava tudo pré-programado e aconteceu na hora certa, mas que não imaginávamos, então destino existe mesmo, ou foi um mero acaso?
E para agravar a situação, o que tirou o sonho de dentro das mãos dele, não foi uma outra pessoa, ou outra coisa qualquer que seja, foi ele próprio quem cavou o buraco no qual se enfiaria para não sair. Diria que, a vontade de querer demais, acabou o atolando nos próprios desejos, e impossibilitando o alcance de mais um dos seus objetivos.
São nesses momentos que eu me pergunto e pergunto para você que estar a me acompanhar freneticamente (ou não) com os olhos: a culpa afinal, foi dele ou do destino? Ou não existem culpados? Ele terá novas de chances de um recomeço? Ou apenas irá continuar uma saga sem fim? Então fica mais do que claro, que sempre fica o “será” em nossas vidas, e nunca somente depende de nós mesmos para se chegar a algum lugar, qualquer que seja. Mas sem duvida depende em grande parte de fazermos acontecer.
Então vista essa melhor roupa com sorriso amarelo, convicto de si que tudo vai dar certo sempre, afinal de conta, não podemos nunca perder a vontade de tentar, mesmo que tudo diga o contrário!

P.s.: Perdoar é preciso, o que não é necessário e se deixar enganar.
P.s.: E que me desculpem os infelizes/pessimistas, mas o meu mundo ta sobrando coisas boas.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Reason



Sempre estive muito aberto a novas ideias para esse blog que eu escrevo, e sendo assim ultimamente veio recebendo alguns pedidos, que eu faço questão de atender, já que está “dentro” daquilo que gosto também. Entretanto, contudo, todavia, peço tempo e paciência, pois estou aprendendo também. rs. Hoje vou falar sobre os SE’s da vida, e o fato de não virmos a passeio nesse mundo, temos um objetivo, um propósito.
Você por algum motivo, ou por falta do que fazer mesmo, já parou para pensar porque lhe foi dado vida? Tantas outras pessoas, tantas outras coisas nessa mesma terra onde você vive, e o que levou a ser VOCÊ!? O fato é, nós estamos aqui apenas sobrevivendo, levando a vida de uma maneira digna (?), mas o que é dignidade para você? São muitas as perguntas ao final de um único questionamento, e pouquíssimas são as respostas. E pra que respostas se a dúvida é uma das coisas que move o ser humano? Por que precisamos de respostas as vezes, caso contrário tudo fica muito sem sentido.
Por vezes penso que a vida é feita somente para se aproveitar todos os benefícios que ela pode nos oferecer a cada dia, hora, minuto, segundo! Mas seria algo muito non sense se realmente fosse somente isso, então posso concluir que nessa vida viemos por inúmeros motivos, dois quais podemos destacar o “aprender a evoluir” e “amar melhor”. Evolução, claro! Estamos numa constante, que mesmo sem percebermos, evoluímos e mudamos, e exatamente isso que é a melhor parte!
E amar, que não é movido a paixões? Paixões rápidas, demoradas, longas ou mesmo de uma noite, mas paixões. Paixão por aquilo que faz, por aquele que te ajuda, por aquele que te faz feliz, pelos seus pais, pelo seu cachorro, paixão por sexo, por seus amigos, por momentos loucos e inusitados, paixão por felicidade e até por você mesmo! Pena que paixões “dá e passa”, o que é de verdade e atravessa o tempo, isso sim é o amor.
Como dizia anteriormente, a evolução é uma (ou várias) oportunidade, que recebemos de Deus ou de qualquer outra forca que mova o mundo e desconhecemos, que devemos aproveitar para o aprimoramento pessoal e interpessoal. E para esse crescimento não vivemos só de vitórias, não mesmo!
Os fracassos irão vir, e não serão poucos, aqueles que de derrubam sem se saber como, aqueles que nem esperados eram, mas nunca acontecerá algo para o qual já não esteja preparado: para se reerguer e continuar de novo. Justamente por esse motivo, não podemos e devemos, nunca esquecer essas quedas, pois elas são as melhores formas de aprendermos, e nesse mesmo momento procuramos uma razão maior para continuar seguindo em frente, e é quando temos de nos superar e tornamo-nos pessoas melhores e mais aptas a fazer tudo.
Entretanto, nada nessa vida é regra e nem tudo é exceção, mas cabe a cada um fazer as melhores escolhas dentro do que é cabido a cada um. Se isso será bom ou ruim, somente o tempo dirá. E apague os SE’s da sua vida... é melhor viver sem pensar em muita coisa e apenas VIVER!

P.s.: Pode ser que não entendo tudo que aconteça comigo, mas há sempre uma razão. Em tudo que chega.
P.s.: Não se esqueça dessa sensação boa de felicidade, porque ela vai e volta. E depende somente de nos mesmos para que ela seja quase constante.


quinta-feira, 31 de março de 2011

Twenty Years Later...


Mais um século completo, totalizando vinte intensos anos vividos. Talvez vinte seja pouco, perto dos tantos que virão, mas com certeza vinte é o suficiente para se ter vivido muita coisa e ter aprendido e muito com a vida. Não tudo, porque até morrer estamos aprendendo, mas o necessário para saber lidar com muitas situações. Queria fazer um balanço geral do já me ocorreu até hoje, véspera de quando completo mais essa primavera, mas antes vou falar de um fato interessante sobre o qual eu tive conhecimento a poucos dias.
Segundo um estudo realizado a não sei quanto tempo, por não sei quem, com não sei qual objetivo (na verdade eu sei, mas quero encurtar história), eu sou o número sete no eneagrama de nove pontas. O sete significa gula, mas não no sentido literal dos sete pecados capitais, muito pelo contrário, quem tem a personalidade localizada nesse número é uma pessoa dada a politicismos e possui o dom da palavra. Consegue convencer, e alcança seus objetivos por meio do que tem de melhor: as palavras. Tende a tornar tudo a um jeito mais fácil, justamente para facilitar a própria vida.
Possui dois pontos de escapes, o bom e o ruim, no qual o bom (quando posto a situações de estresse) é caracterizado como um período de reclusão interior e pensamentos calmos e sensatos, já o ruim é praticamente o oposto, com pensamentos rápidos e ações por impulsão, com exteriorização de tudo que pensa e precisa falar. São fases completamente opostas, mas quase que indissociáveis, sendo que a raiva vem primeiro e um tempo depois a calmaria e arrependimento.
E sendo sincero, nunca vi algo que me descrevesse tão bem quanto o livro “O Eneagrama da Sociedade”. E é interessante perceber que esses estudos nos olham de diferentes ‘olhares’, em todos os aspectos possíveis e descrevem como se nos conhecessem pessoalmente, e sem exagerar INDESCRITÍVEL. E antes que eu me esqueça, meu traço principal é o PLANEJAMENTO, minha paixão é a GULA, minha virtude é a SOBRIEDADE, e minha mente superior TRABALHO.  No campo sexual sou SUGESTIONÁVEL, no social SACRIFICIAL e DEFENSOR DA FAMÍLIA.
Agora vem a parte chata do fato de completar duas décadas, as responsabilidades que crescem a cada dia numa velocidade incalculável. E eu ainda tive a capacidade de fazer um texto aos 18 dizendo que até então nada teria mudado, mas agora o inverso aconteceu e rápido até demais. Aos 19 não me recordo como era e nem tenho registros sobre. Mas vinte, são vinte longos (ou curtos) anos de muita vivência. Como sempre digo, comecei ‘minha vida’ muito cedo no que diz respeito às festas e coisas do tipo, mas nunca deixei de lado aquela coisa legal dos estudos, e quando digo legal estou sendo verdadeiro, sempre gostei.
Não posso negar que ao completar 18 e ‘ganhar’ minha CNH e uma certa “independência” financeira, tudo deu uma melhorada fantástica, mas nada muito diferente do que eu já tivesse acostumado. Mas daí as responsabilidades só foram aumentando e aumentando, e acredito até mesmo pelo curso que faço e que levarei para vida. Não reclamo, apenas constato. E de que adianta eu ficar aqui contando minha curta experiência de vida não é? É somente uma coisa bacana que quero ter guardado pra eu mesmo! =D
Foram vinte de emoções, sensações, prazeres inenarráveis, paixões que foram eternas enquanto duraram, amores talvez, carinho mútuo, coleguismos, amizades que se perderam no tempo, amizades que resistiram a força dos conflitos, amizades novas e velhas, felicidades incomparáveis, tristezas que duraram dias, inimigos ocultos, carências insolúveis, atitudes precipitadas e outras bem pensadas, escolhas certas e erradas, noites em claro e dias com sono, curtindo ou mesmo deixando passar ao léu cada segundo, experiências boas e ruins, mas apesar de todos os pesares faria tudo exatamente igual.
Espero que tenha muitas coisas ainda pela frente, pois apesar de já ter vivenciado bastante, acredito que não foi nem metade do que ainda me espera. E a minha vida seria somente mais uma história, se eu não tivesse envolvido com o corpo e alma em tudo o que eu fiz.
Exatamente há vinte anos nasceu Ermon Bhering Ramalho, um cara que veio para viver nesse mundo de loucos, mas muito bons loucos, loucos que se odeiam, mas que se amam na mesma intensidade.

P.s.: Tentar está longe de ser sinônimo de conseguir, mas é mais digno morrer tentando do que viver acomodado.
P.s.: Sempre tem algo novo e melhor à sua espera.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Arise Boy!



Antes de começar esse texto, gostaria de agradecer a todos que tem tornado a minha vida cada dia mais interessante. Sei muita coisa depende de mim, mas são vocês, todos meus amigos, que me dão exatamente aquilo que preciso nas horas certas. E serei sempre grato a tudo e todos. Para quem sabe que ‘curto’demais:
Crescer faz parte da vida, em todos os sentidos, até no literal. E é bom, não vou negar. E é necessário, todos precisam. E nesse crescimento, às vezes descontrolado, nos ocorrem surpresas que apimentam todo esse processo de crescimento. Existem coisas boas, e coisas ruins, como em tudo que há na vida, com suas eternas dualidades. Mas é aquilo que sempre nos dizem, se não tivessem dificuldades não seria tão bom quanto é com elas. E como bom ariano que sou, concordo em gênero, número e grau, porque as dificuldades vieram para podermos supera-las a qualquer custo.
Entretanto, existem tantas coisas fantásticas no curto período de tempo que permanecemos na terra, que conseguimos até mesmo palpar isso. E não há como negar que isso, apesar dos pesares é bom. E por mais que uma coisa seja muito marcante na sua vida, ela sempre será substituível. Assim são com as amizades, o coleguismo, os amores, o profissionalismo, e as relações de uma maneira em geral.
Quem nunca se deparou com algo que perdeu que, inicialmente, seria insubstituível e de repente como num passe de mágica, aquele objeto já foi totalmente desarticulado por um melhor? São as faces da vida, e convenhamos, que belas faces. Somente quem já teve amores eternos, amizades sem fim, e profissões para a vida, sabe que nem tudo é 8 ou 80, e que pode existir um equilíbrio gostoso nesse mundo que gira rápido, o suficiente para nem vermos. E sabe acima de tudo que não existem amores eternos, nem amizades sem fim e que aos 40 você pode descobrir uma profissão que você ama e não sabia.
Dessa mesma forma acontece nos pequenos detalhes diários, coisas que nos surpreendem, não pelo fato, mas pela forma como acontecem. São dias que esperamos demais, que de tanto esperar quando acontece ficamos “meio sem reação”, não dizendo que não foi bom ou mesmo inesperado, apenas um ‘amadorismo’ de primeira viajem. Mas que é/foi bom não posso negar. E hoje não quero mostrar o lado “ruim” disso não, e nem estou pra isso, nos dias desses dias são só coisas boas para serem comemoradas, afinal, dia primeiro de abril está batendo na porta e chamando pelo meu nome.
Mudanças são inevitáveis e necessárias, e todas elas são muito bem-vindas apesar de nem sempre serem para melhor. E devemos agradecer o fato das pessoas mudarem, isso de certa forma nos força a mudar junto, não para o mesmo lado ou a mesma forma, mas uma mudança, simples. Por esse mesmo motivo agradeço todos os dias ao acordar, o simples fato de ter acordado. E isso já é motivo de sobra para agradecer.
E como diria um grande e inenarrável escritor: não há nada que ser esperado, nem desesperado. Ou seja, apenas curta o carpe diem e relaxe, que todo o resto irá acontecer gradual e paulatinamente. É como uma brisa suave que encosta no vidro e escorre lentamente, com obstáculos ou não, até encontrar o seu destino final.

P.s.: É difícil viver as verdades do mundo, quando o seu coração não se sente à vontade. (By Marina)
P.s.: Sempre há ao que, ou a quem agradecer. O fato é, podemos até viver sozinhos, mas quando se tem compania para dividir tudo, é mais fácil e gostoso.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Hora Certa



A tão pouco tempo de completar mais uma primavera, não consigo pensar em outra coisa a não ser obrigações da faculdade, você pode pensar talvez que seja bitolamento...antes fosse. Mas o texto a respeito dos meus 20 (?) anos vou deixar para outro dia. Hoje ainda quero divagar sobre coisas inÚTEIS da vida, como sempre tenho o enorme prazer em fazer.
Bem, na verdade acho que não sei o que escrever hoje. Alias, posso até saber, mas o meu pudor não me permite que eu o faça, como diria Clarice “Tenho pensamentos que não podem ser traduzidos em palavras”. São tantas coisas que andam acontecendo sem sentido, que nem eu mesmo estou conseguindo me entender. Talvez eu me entenda, mas praticamente com 100% de certeza que não me entendo. Poderia ser mais fácil, mas complicar é o meu maior prazer nessas horas.
Então vamos falar daquilo que interessa a grande maioria das pessoas: sexo e amor.
Há quem diga que são duas coisas totalmente diferentes, mas há quem diga o contrário, eu diria que são coisas boas, somente. É difícil descrever o amor, já o sexo em linhas leves se descreve muito bem. O amor não é palpável, já o sexo é contato de sobra. Sexo e amor se completam, acredito que é quase impossível um viver sem o outro. Concordo que existe sexo sem amor, mas a recíproca nesse caso não é verdadeira. Pode ser que a curto prazo sim, o amor consiga nascer sem sexo, mas a continuação está longe de conseguir sem o sexo.
E não me venha com clichês falando que é possível durar sem sexo, porque não o é. Não estou falando somente por mim, ou por alguém, ou por todos os relacionamentos que eu já experimentei, estou falando por tudo o que eu já presenciei e vivi, claro. A verdade é que, apesar de termos avançado, e muito, na abertura do “campo sexual”perante a sociedade, existem ainda muitos tabus quando o assunto é falar: ‘Eu quero só sexo’, ou mesmo ‘Quero amor e sexo’. Relacionamentos são tabus hoje em dia.
O surpreendente é que a grande maioria das pessoas pensam da mesma forma, ou ate mesmo de uma forma mais “devassa” quando o assunto é esse. Mas os que têm coragem de falar e mostrar a opinião são poucos. E confesso, sou do tipo que não mostro minha opinião de imediato, mas faço questão de mostrar uma hora. Dou minha cara à tapa mesmo, afinal, devo a alguém alguma coisa? Nem mesmo a sociedade é capaz de intimidar, não nesse sentido. E não é que devemos ser revoltados e contrários a tudo que é social e tornar tudo sem lei, mas há as regras desnecessárias e nonsense. E nessas horas sempre me lembro de um amigo falando comigo: ‘As regras foram feitas para serem quebradas, e por quem as sabe quebrar’.
Como tudo na vida, ou quase tudo, é muito complicado de se discutir, porque são bilhões de cabeças pensando de formas diferentes sobre a mesma coisa. Mas sempre acho válido, mesmo que eu não mude sua opinião e você não mude a minha, discutir é preciso.

P.s.: Que todas as nossas escolhas sejam sempre as melhores, apesar das consequências nem sempre ser.
P.s.: Sentimentos poderiam ser como fotografias: marcantes, bonitas e que balançasse com a gente, mas facilmente deletável a bel prazer.